A evolução do Marketing Digital: No passado e no futuro

 

Como  Você está em Relação a Evolução  Tecnológica ? 

 

Nas últimas três décadas, o marketing teve que acompanhar e enfrentar os saltos na tecnologia e nossa relação com ela desde então. Enquanto a Era das Vendas testemunhou a invenção do telefone, rapidamente seguido pelo surgimento da televisão e a Era do Departamento de Marketing. 

A evolução da indústria da era da empresa de marketing viu, sem dúvida, a maior mudança na história do marketing: os primeiros computadores pessoais disponíveis comercialmente.

 

Mas o que esses desenvolvimentos significam para o futuro do marketing? Nosso novo relatório de habilidades digitais descobriu que muitos profissionais de marketing não têm certeza de seu futuro e acreditam que o marketing digital será fundamental para sua organização nos próximos dois anos. Apesar disso, quando os profissionais de marketing foram questionados sobre seus papéis em 30 anos, 68% nos EUA e 61% no Reino Unido acreditam que seu papel digital atual definitivamente ou provavelmente ainda existirá em sua forma atual.

 

Sem uma bola de cristal, é impossível ver o que o futuro reserva, mas para olhar para frente, precisamos olhar para trás. Aqui, analisamos os três principais desenvolvimentos tecnológicos que mudaram a maneira como vemos o marketing: a internet, big data e smartphones e prevemos como eles podem definir o cenário para o futuro.

 

O advento da internet

 

A adoção em massa da internet na vida cotidiana é o maior evento que afetou o marketing nas últimas três décadas. Embora os primeiros softwares de editoração eletrônica nos primeiros PCs tenham causado um aumento no marketing de impressão na década de 1980, os computadores eram pouco mais que uma máquina de escrever glorificada. Lançado por Tim Berners-Lee e sua equipe em 1991, o projeto World Wide Web não decolou até que o primeiro navegador de sucesso do mercado de massa, Netscape, foi lançado em 1994. Nos dois anos seguintes, o número de pessoas usando a web subiu de 16 milhões para 70.

 

À medida que os usuários aumentaram, o cenário evoluiu, do e-mail aos mecanismos de busca como o Yahoo! (1994) e Google (1997) e sites de comércio eletrônico como Amazon (1994) e eBay (1995). Para o marketing, isso era uma mina de ouro. 

O e-mail tornou-se uma nova ferramenta de marketing de saída, juntando-se ao arsenal tradicional de anúncios de TV, rádio e impressos e vendas por telefone. 

Enquanto os buscadores catalogavam os novos sites que estavam sendo criados e permitiam aos usuários encontrar as informações, produtos e serviços que desejavam no conforto de sua própria casa.

 

Os profissionais de marketing usaram técnicas iniciais de SEO, como preenchimento de palavras-chave, marcação excessiva e backlinks para gerar classificações altas.

 Uma empresa de sucesso na época, conhecida por suas táticas de marketing agressivas, era a Razorfish . 

Agora uma das maiores agências de mídia interativa, a Razorfish foi uma peça-chave no início do SEO, bem como pioneira das possibilidades de “servidor push” do navegador Netscape.

 

Plataforma de marketing de Afiliados

 

Você provavelmente começou seu negocio digital com o objetivo de ganhar algum dinheiro em algum momento.

E quando se trata de ganhar dinheiro online, o marketing de afiliados é uma das melhores maneiras de transformar tráfego em dinheiro.

 

Mas o marketing de afiliados só é uma estratégia viável se você puder encontrar produtos de qualidade nos quais seus visitantes estejam interessados 

 

 

Big data

 

Toda essa atividade online era – e ainda é – armazenada como informação digital. Um estudo de 2000 descobriu que a informação digital era o tipo de informação única produzida com mais rápido crescimento, com a maioria das informações baseadas em texto “nascidas digitais”. Essas informações também são conhecidas como big data.

 

Por quê? Porque tem muito! Em 2000 já estava substituindo seus equivalentes físicos: papel, filme e óptico (DVD e CD). Novas descobertas na tecnologia de gravação e armazenamento de dados tornaram o big data um recurso novo e insubstituível para os departamentos de marketing.

 

Após o hype inicial da internet, a bolha das pontocom estourou em 2001 e as táticas de marketing mudaram. 

Uma ênfase maior foi então colocada no inbound marketing por meio do compartilhamento de informações, design centrado no usuário e colaboração.

 A introdução dos sites de mídia social LinkedIn (2002), Myspace (2003), Facebook (2004) e Twitter (2007) tornou isso ainda mais possível à medida que os usuários da Internet começaram a compartilhar cada vez mais dados pessoais online.

 

O big data tornou possível rastrear padrões e tendências do comportamento humano, e seu papel no marketing só deve aumentar.

 O marketing orientado a dados ganhou impulso suficiente para que várias empresas se especializassem em aproveitar essa tecnologia, como Domo , Oracle e Optimove.

 

Por exemplo, a Optimove é especializada em marketing digital de precisão usando o poder da análise preditiva. Sua nuvem de marketing usa big data para adquirir a inteligência emocional necessária para se conectar com os clientes de forma mais eficaz e em todos os momentos. Isso permitiu que os profissionais de marketing criassem melhores estratégias que fortalecem o relacionamento com os clientes.

 

Smartphones

 

Grandes dados | A evolução do marketing digital: 30 anos no passado e no futuro

 

Onde estaríamos sem smartphones e tablets? Esses novos dispositivos explodiram na última década e os departamentos de marketing ainda estão se atualizando. Hoje, os smartphones ultrapassaram os computadores pessoais como o principal dispositivo digital para ficar online, com o tempo diário que os adultos americanos gastam com mídia móvel aumentando de 46 minutos em 2011 para 258 minutos em 2017 .

 

Para evoluir para os dispositivos inteligentes que são hoje, os primeiros telefones celulares das décadas de 1970 e 1980 foram feitos principalmente para uso em carros, enquanto as tentativas de computadores portáteis ao longo do final dos anos 1990 e início dos anos 2000 nunca chegaram. 

O primeiro smartphone verdadeiramente moderno foi produzido pela BlackBerry em 2003 e suportava e-mail, mensagens de texto, chamadas telefônicas e navegação na web, mas era usado principalmente por profissionais de negócios. Não foi até 2007 que os smartphones entraram no mercado de massa após o lançamento inovador do iPhone . 

Olhe para hoje e a propriedade de smartphones somente no Reino Unido foi de 76%, com rápidos aumentos na proporção de usuários de 4G e um quarto dos proprietários de smartphones não fazendo chamadas de voz tradicionais.

 

O mundo mudou para o online e para os nossos bolsos. Então, para onde vamos a partir daqui? Um futuro de transparência, personalização e marketing ágil.

 

Transparência

 

A informação está em toda parte. De acordo com o vice-presidente sênior de marketing da Unilever, Marc Mathieu, marketing costumava ser sobre criar um mito e vendê-lo e agora é encontrar uma verdade e compartilhá-la.

 

Os clientes agora são mais inteligentes e capazes de pesquisar produtos em segundos, comparando facilmente concorrentes e avaliações e desenterrando quaisquer mitos ao longo do caminho. 

Para os profissionais de vendas, essa mudança está se mostrando um desafio, pois 70% da jornada do comprador é concluída antes mesmo de ele entrar em contato com as vendas. As melhorias de SEO tornaram o preenchimento de palavras-chave e os backlinks com spam uma coisa do passado, abrindo caminho para o valor real e o bom conteúdo para se tornar o novo estilo de marketing.

 

A necessidade de transparência é óbvia quando você analisa a percepção do cliente sobre as marcas. Nas mídias sociais, 19% dos consumidores acham fácil diferenciar comunicações de marketing, publicidade e conteúdo de marca e conteúdo não comercial nas mídias sociais, enquanto 30% têm pouca ou nenhuma confiança no conteúdo que veem no Facebook.

 

Em uma era em que os clientes estão no comando, os profissionais de marketing precisam envolver os consumidores em uma conversa contínua, criando relacionamentos reais e fidelidade à marca.

 

“Quando os consumidores se acostumam com a transparência, eles também ficam mais interessados ​​na qualidade do que você vende e são mais propensos a pagar mais de bom grado. E uma vez que as pessoas começam a se mover nessa direção, o custo de ser um provedor antiético fica tão alto que você muda seus caminhos ou desaparece.” – Seth Godin

Personalização

 

Compartilhar é tudo. É uma grande parte do novo cenário da Internet e a próxima geração de nativos digitais está mudando a maneira como as informações são visualizadas e compartilhadas. Como a primeira geração verdadeiramente mobile-first, a geração Z, como são conhecidas, dá grande ênfase à personalização e relevância. Seus hábitos também evoluíram em comparação com os millenials que atualmente interagem com três telas em média, em comparação com os da geração Z que usam cinco : um smartphone, TV, laptop, desktop e iPod/iPad.

 

A personalização pode ser alcançada usando big data ou conteúdo gerado pelo usuário. Embora o big data possa ser usado para criar uma experiência única para indivíduos, o conteúdo gerado pelo usuário capacita os clientes. Essa forma de marketing de conteúdo oferece aos profissionais de marketing um suprimento infinito de informações criativas ao mesmo tempo em que cria um vínculo entre marca e consumidor. Os millennials são especialmente influenciados por campanhas de conteúdo gerado pelo usuário, com 84% relatando que o conteúdo gerado pelo usuário nos sites da empresa tem pelo menos alguma influência sobre o que eles compram.

 

Um exemplo bem-sucedido de campanha gerada pelo usuário é a campanha de mídia social Foto do Dia da GoPro, em que a GoPro apresenta a foto de um cliente em seus sites de mídia social todos os dias para provar a um público mais amplo os méritos da câmera. O público pode então votar em seu favorito na página do GoPro Award, incentivando as pessoas a enviar suas fotos e gerando engajamento.

 

Marketing ágil

 

O marketing ágil é uma medida de quão eficiente uma organização é em atingir suas metas de marketing. Uma equipe de marketing ágil fornece muita estratégia e resultados teóricos para seus stakeholders com o objetivo de executá-la rapidamente. O ROI também é um fator chave , com profissionais de marketing ágeis percebendo que novos negócios são mais importantes do que novos materiais. Em essência, trata-se da velocidade com que novos produtos podem ser desenvolvidos ou refinados para capitalizar uma oportunidade e impulsionar um negócio.

 

Uma das razões para o marketing ágil estar em ascensão são as mídias sociais, onde as marcas passaram os últimos anos descobrindo como se comunicar em plataformas como Facebook e Twitter. Esses canais forneceram informações sobre o que pode funcionar e o tipo de conteúdo que ressoa. Além disso, muitas marcas estabelecidas têm uma personalidade nas mídias sociais em termos de tom e voz, além de promover essa transparência tão importante para os consumidores. A velocidade das mídias sociais também mostrou às organizações que uma resposta rápida – se feita corretamente – pode ser muito eficaz em uma variedade de mídias.

 

Um exemplo desse tipo de marketing é no Superbowl quando as luzes se apagam. Usando isso como uma oportunidade, algumas marcas foram ao Twitter para promover seus produtos devido ao infortúnio temporário do SuperBowl. Digite Oreo e Tide.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.